quinta-feira, 8 de junho de 2017

Reflexão:


O encontro mais íntimo não é o sexual, e sim despir-se emocionalmente.




domingo, 28 de maio de 2017

FALSA PAIXÃO

FALSA PAIXÃO

Quando a Alma não é Livre, não é capaz de Amar plenamente.
Se não é Livre, entenderá o Amor como posse, contrato, compromisso, dever, fidelidade para com o outro e não para consigo.
E paixão?! Ainda pior! Pois se a pessoa não sabe Amar, não saberá desfrutar da paixão que é uma experiência tão intensa e avassaladora.
Para mim, paixão é aquele fogo, aquele desejo de estar junto, de vivenciar momentos intensos de trocas de experiências, de contato físico, de curtir a distância sabendo que haverão proximidades fundidas...

É durante a paixão que há uma grande troca de energias e aprendizados.

É um intensivão mútuo que faz tão bem quando as pessoas envolvidas sabem Amar - sem prisões, sem posse, sem cobrança.
Mas se a pessoa não é Livre, tornará a paixão uma prisão terrível onde um será sufocado pelo outro, onde o mais inseguro perseguirá o outro. Essa é a paixão falsa, baseada nos sentimentos mesquinhos do Ego - ele diz: "fulano é meu e de mais ninguém!" E então começa o desgaste... Nenhum poderá ter vida própria, pois um ou outro sugará todas as energias e as concentrará pra si, egoistamente. Não será uma troca, mas uma disputa...
E o que era para ser intensa troca de energias e evolução mútua, tornar-se-á um fogo consumidor da paz e a da alegria, que pouco a pouco se esvai...

Quando as pessoas são Livres, a paixão acaba e pode ou não acender novamente... A paixão assim pode ser entendida como duas lâmpadas ou duas estrelas que se aproximam e se afastam quando bem desejam... podendo iluminar e ser iluminados por outras lâmpadas ou estrelas, sempre Evoluindo...
Quando as pessoas são escravas de preconceitos e dogmas sociais e religiosos serão como dois fósforos, que se incendeiam mas logo se apagam, e muitas vezes causam grande sofrimento e destruição não só para os envolvidos, mas para as pessoas que estão a volta.
Portanto, apaixone-se, mas primeiro reflita sobre o que quer ser...

O que queres ser?
Lâmpada?
Estrela?
Ou fósforo?...

domingo, 14 de maio de 2017

Amores


"O condicionamento cultural é tão forte que chegamos à idade adulta sem saber o que realmente desejamos ou o que aprendemos a desejar. Isso ocorre em todas as áreas, portanto, também no que diz respeito ao amor. Fomos estimulados a investir nossa energia amorosa/sexual somente em uma pessoa e a acreditar não ser possível ter mais de um amor de cada vez.
Para quem está vivendo essa situação, surgem muitas dúvidas a respeito dos próprios sentimentos, na mesma medida em que o sofrimento é grande para quem descobre que o parceiro (a) está amando alguém mais. Ao fazer com que todos acreditem ser impossível amar duas pessoas ao mesmo tempo, o nosso modelo de amor torna inquestionável a conclusão: “se amo uma pessoa, não posso amar outra” e “se ele ama outra pessoa é porque não me ama”.
Contudo, não duvido de que podemos amar várias pessoas ao mesmo tempo. Não só filhos, irmãos e amigos, mas também aqueles com quem mantemos relacionamentos afetivo-sexuais. E podemos amar com a mesma intensidade, do mesmo jeito ou diferente. Acontece o tempo todo, mas ninguém gosta de admitir. Há a cobrança de rapidamente se fazer uma opção, descartar uma pessoa em benefício da outra, embora essa atitude costume vir acompanhada de muitas dúvidas e conflitos." (RN)



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...