domingo, 1 de maio de 2016

ENQUANTO FORMOS APEGADOS, NÃO EXISTE AMOR


ENQUANTO FORMOS APEGADOS, NÃO EXISTE AMOR
Nós conhecemos o amor como uma sensação, não é isso? Quando dizemos que amamos, conhecemos o ciúme, o medo, a angústia. Quando você diz que ama alguém, tudo isso está implicado. a inveja, o desejo de possuir, o desejo de ter, dominar, o medo da perda, o apego e assim por diante. Tudo isto nós chamamos amor, e assim nós não conhecemos o amor sem medo, sem inveja, sem posse, sem apego, nós apenas verbalizamos esse estado de amor que é sem medo, e então nós o chamamos de impessoal, puro, divino, ou D'us sabe de que mais, mas o fato é que somos invejosos, somos dominadores, possessivos. Assim nós só conheceremos esse estado real de amor quando inveja, ciúme, possessividade, dominação chegarem a um fim, e enquanto possuirmos nunca amaremos ...
Quando é que você pensa sobre a pessoa que você ama? Você pensa nela quando ela vai embora, quando ela está longe, quando ela o deixou ... Então, você sente falta da pessoa que você diz que ama só quando você está perturbado, quando está sofrendo, e assim enquanto você tem aquela pessoa, você não tem que pensar nela, porque na posse não existe perturbação ...
O pensar sobre a pessoa que você ama vem quando você está perturbado e você está destinado a ser perturbado enquanto este seu pensar é o que você chama de amor. Certamente, amor não é uma coisa da mente, e porque as coisas da mente encheram nossos corações, nós não temos amor.
As coisas da mente são ciúme, inveja, ambição, o desejo de ser alguém, de ter sucesso. Estas coisas da mente enchem seus corações, e então você diz que ama,; mas como você pode amar quando você tem todos estes elementos confusos em você? Quando existe fumaça, como pode haver uma chama pura?


J. Krishnamurti, The Book of Life


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...